Bem-Vindo ao Projeto Sylvio Pinto

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(1918 - 1997)

 

 

 

 

 

Biografia Sylvio Pinto

 

 

Primeiros estudos de pintura com seu pai, Bernardo Pinto da Silva, (vulgo Pinto das Tintas), e no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Conheceu e se aproximou de José Pancetti, Armando Vianna, Manoel Santiago, Bustamante Sá, entre outros, cuja convivência foi fundamental para a sua formação. Obteve o prêmio de viagem à Europa no Salão Nacional de Belas Artes, em 1952. Participou da I Bienal de São Paulo, em 1951, e foi premiado em inúmeros salões e coletivas importantes a partir dos anos 50. Expôs individualmente no Brasil e no exterior. Em 1985, integrou a mostra 100 Obras Itaú, no Museu de Arte de São Paulo. Em 1993, o Museu nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, inaugurou uma retrospectiva de sua obra. Para Walmir Ayala, "Sylvio Pinto viveu todas as trepidações contemporâneas, mas não quis fazer da pintura uma bandeira de protesto ou de crítica. Preocupou-se sempre em pintar, e sua pintura tem aquele toque do coração que se confunde com a mão e o pincel, na resolução de um rastro pictórico. Os quadros de Sylvio Pinto, no máximo refletiram estados emotivos. Foram sombrios nos tempos sombrios, depois mais luminosos. Consentiram em certas influências que o tempo se encarregará de filtrar. E finalmente chegarão a montar o mostruário mínimo e essencial, que faz a glória de qualquer pintor!." Em 1988, recebeu a medalha Pedro Ernesto da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, pelas mãos da Vereadora Neuza Amaral, com aprovação unânime dos vereadores. Em 1989, recebeu a medalha de Honra ao Mérito na Assembleia do Rio de Janeiro pelas mãos do Deputado Cláudio Moacyr. Em 1991, em Portugal na cidade de Constância recebeu a medalha de Honra ao Mérito da Cultura de Portugal (sabe-se que só Sylvio Pinto e  Roberto Burle Max receberam essa homenagem de artes plásticas) com a presença do 1º Ministro de Portugal Cavaco Silva e seu ministério. Em 1993, teve a honra de receber a medalha de Honra ao Mérito da Cultura de Brasília da Vice Governadora Márcia Kubitschek. Referências: O Brasil por seus artistas (MEC, 1979) e Arte Brasileira (Colorama, 1985), de Walmir Ayala; 100 obras Itaú (MASP, 1985); Sylvio Pinto: vida e obra em depoimentos (Arte Hoje, 1985), de Quirino Campofiorito, Sylvio Pinto: 55 anos de pintura (RBM, 1993), de José Maria Carneiro; Cronologia das artes plásticas no Rio de Janeiro: 1816-1994 (Topbooks, 1995), de Frederico Morais; Sylvio Pinto: meu pai, meu amigo (L&M Martins, 2005), de Ubirajara Pinto e Paulo Alonso.

 

 

 

 

 

Publicações

 

 

 

 

 

Sylvio Pinto

(1918, Rio de Janeiro, Brazil - Rio de Janeiro, Brazil, 1997)

 

 

First studies of painting with its father, Pinto Bernardo da Silva, (vulgo young chicken  of the inks), and in the 2 secondary school of Arts and Crafts of Rio de Janeiro. It knew and if it approached to Jose Pancetti, Armando Vianna, Manoel Santiago, Bustamante Sá, among others, whose convivência was basic for its formation. It got the prize of trip to the Europe in the National Hall of Beautiful Arts, in 1952. It participated of the Biennial I of São Paulo, in 1951, was awardee in innumerable important collective halls and from years 50. It displayed individually in Brazil and the exterior. In 1985, it integrated the sample 100 itaú Workmanships, in the Museum of Art of Are Pablo. In 1993, the National Museum of Beautiful Arts, in Rio de Janeiro, inaugurated a retrospect of its workmanship. For Walmir Ayala, "Sylvio Pinto lived all the trepidations contemporaries, but it did not want to make of the painting a flag of protest or critical. It was always worried in painting, and its painting has that pulsante touch of the heartthat if confuses with the hand and the brush, in the resolution of a pictorial track. The pictures of Sylvio Pinto, in the maximum, had reflected states emotions. They had been shady in the shady times, later more luminous. They had assented in certain influences that the time will be puted in charge to filter. E finally will arrive to mount the minimum and essential sample, that makes the glory of any painter."

 

In 1988, it received the medal Peter Ernesto from the City council of Rio de Janeiro, for the hands of the Councilman Neuza Amaral, with unanimous approval of the councilmen.

In 1989, it received the medal from Honor to the Merit in the Assembly of Rio de Janeiro for the hands of the Member of the house of representatives Claudio Moacyr.

In 1991, in Portugal in the city of Constancy it received the medal from Honor to the Merit of the Culture of Portugal (one knows that only Sylvio Pinto and Roberto Burle Max had received this homenage from plastic arts) with the presence of 1º Minister of Portugal Cavaco Silva and its ministry.

In 1993, Kubitschek had the Honor to receive the medal from Honor to the Merit of the Culture of Brazilia of Vice Governor Marcia Kubitschek.

 

References: Brazil for its artists (MEC, 1979) anda Brazilian Art (Colorama, 1985), of Walmir Ayala; 100 Itaú workmanships (MASP, 1985); Sylvio Pinto: life and workmanship in depositions (Art Today, 1985), of Quirino Campofiorito; Sylvio Pinto: 55 years of painting (RBM, 1993), of Jose Maria Carneiro; Chronology of the plastic arts in Rio de Janeiro; 1816-1994 (Topbooks, 1995), of Frederico Morais; Sylvio Pinto: my father, my friend (L&M Martins,), of Ubirajara Pinto and Paulo Alonso.

 

 

As obras de Sylvio (ou S.Pinto ,como assinava), em sua grande maioria, procuraram retratar a alma fluminense, suas marinhas, suas festas populares e o "modo de ser " do povo carioca.

Nos últimos anos de sua vida, Sylvio Pinto morou no bairro carioca do Leme. Ricardo Barradas, Ubirajara Pinto (filho do artista), e muitos outros marchands e artistas reuniam-se no fim de tarde, em torno do artista e, na pratica boemia, comum entre os intelectuais, relembravam fatos e casos pitorescos das artes plásticas do Rio de Janeiro.

O PROJETO SYLVIO PINTO, sempre pensando no melhor para a Arte Brasileira, encontra se atualmente por um processo de transformação institucional e de migração de nossa original plataforma jurídica, para melhor visibilidade perante às leis brasileiras e internacionais. Sendo assim, optou por esta nova denominação: www.sylviopinto.org.

 

 

 

 

 

Presidentes de Honra:

Ubirajara Pinto

Ubiracy Pinto

"in memorian"

 

 

Equipe Gestora e Curadora:

Associação Fluminense de Belas Artes

Projeto Sylvio Pinto.

 

 

Exercício 2012 - 2018

Ricardo Barradas, Ubirajara Pinto, Ledy Mendes Gonzales,

Giselle Senges, Sylvio Senges Pinto, Laura S.Pinto.

Vanda Rosseti Barradas, Luciene Reis.

 

 

 

 

 

 

Informação Institucional

 

O PROJETO SYLVIO PINTO sediado no Rio de Janeiro - RJ - Brasil, não possui representante para autorizar o uso de imagens dos Artistas Brasileiros Sylvio Pinto, Bernardo Pinto e Ubiracy Pinto, ou de suas respectivas obras, no Brasil ou no exterior. Da mesma forma, que o PROJETO SYLVIO PINTO, não autorizou até hoje, legalmente, ninguém a responder sobre parte ou sobre a totalidade das obras destes artistas, supra citados.

Todos, colecionadores, proprietários de obras, donos e gerentes de galerias, leiloeiros, marchands, restauradores, moldureiros, agenciadores, captadores de leilão, críticos de arte, jornalistas, comentaristas, escritores ,artistas, antiquários, e pessoas comuns, que assim o fazem, exercem por vícios irresponsáveis, dentro da ilegitimidade, ilegalidade, de forma injuriante, mentirosa e criminosa, e deveram, portanto responder pelos seus atos, ações e expressões e por todas respectivas repercussões dolosas correspondentes, sejam elas, pelos prejuízos morais sobre as obras, e memórias dos artistas, pelo projeto, legalmente representados ou pelos danos materiais, inclusive por lucros cessantes, perante as leis vigentes em nosso país.

 

LPI, 5.988 14 DE DEZEMBRO E 1973 - LDA EM ESPECIAL DA LEI 9610, DE 1998.

 

Em caso de qualquer dúvida, procure imediatamente a equipe gestora atual do PROJETO SYLVIO PINTO, a única autoridade legal para responder sobre qualquer questão.

 

 

 

Obras do Artista

 

 

 

Sylvio Pinto: 0,30 por 0,40cm - OST - 1984

"Praia em Salvador - Bahia"

Coleção Particular

Sylvio Pinto: 0,46 por 0,55cm - OST - 1988

"O Circo"

Coleção Particular

 

Sylvio Pinto: 0,60 por 1,00cm - OST

"Lavapés"

Coleção Particular

Sylvio Pinto: 0,51 por 0,72cm - OST - Década 60

"Sevres - França"

Coleção Particular

 

Sylvio Pinto: 0,46 por 0,55cm - OST - Década 60

"Praia de Búzios - RJ"

Coleção Particular

Sylvio Pinto: 0,14 por 0,22cm - OST - 1960

"Paris - França"

Coleção Particular

 

Sylvio Pinto: 0,27 por 0,19cm - OSE

Década 70

"Jacarezinho - RJ"

Coleção Particular

Sylvio Pinto: 0,60 por 0,50cm - OST

"Ouro Preto - MG"

Coleção Particular

 

Sylvio Pinto: 0,66 por 0,54cm - OST - 1973

"Sorriso"

Coleção Particular

Sylvio Pinto: 0,50 por 0,40cm - A.C.I.E

1945

"Igreja de São Cristovão do Rio de Janeiro"

Coleção Particular

 

Sylvio Pinto: 0,73 por 0,60cm - OST

Década 70

"A Baiana do Pelourinho"

Coleção Particular

Sylvio Pinto: 0,75 por 0,60cm

Obra realizada em Nova York, USA.

"Cangaceiro"

Coleção Particular

 

 

 

 

Bernardo Pinto

 

 

 

LINKS:

 

 

Projeto Portinari  http://www.portinari.org.br/
 
Projeto Inimá  http://www.museuinimadepaula.org.br/
 
Projeto Scliar  http://www.carlosscliar.com/
 
Projet Lygia Pape  http://www.lygiapape.org.br/
 
Projeto Brecheret  http://www.victor.brecheret.nom.br/

 

AFBA http://www.afbabrasil.org

 

 

 

 

 

 

 

 

projeto@sylviopinto.org

copyright©2007

Todos os Direitos autorais reservados.

 

Fundo musical da página:

"Conversa de Botequim"

Autoria: Noel Rosa e Vadico.

Interpretado por Noel Rosa.

Rio de Janeiro - Brasil.

Obra em domínio público©2009